Olá, meus queridos!

Eu estava passeando pelo Pinterest uma vez e vi um texto que me chamou a atenção. Pelo título, percebi que a autora estava dizendo que reduziu tanto suas posses que acabou ficando sem nada numa casa grande e acabou sentindo falta de algumas coisas. Foi só passar os olhos pelo artigo que uma coisa passou pela minha mente de imediato: talvez a definição de minimalismo pra quem ainda não está familiarizado com o conceito pode estar equivocada.

Como eu falei pra vocês que vocês podem me considerar minimalista no post Como lidei com a crise: parte 3 , acho que está na hora de falar sobre o que é o minimalismo pra mim.

Então vamos lá: pra quê reduzir a quantidade de coisas que a gente possui, ou seja, ser minimalista?

Pra começar, ser minimalista não é apenas sobre reduzir, sobre se desfazer de quase tudo e viver com o que cabe numa mochila. Existem pessoas que fazem isso, mas essa foi a forma delas de encarar o minimalismo, baseado num conceito. E é sobre o conceito – pelo menos sobre o que eu entendo como “o conceito de minimalismo” – que eu quero conversar com vocês hoje.

fashion-1478810_1280

Minimalismo pra mim tem tudo a ver com autoconhecimento, com saber identificar, na sua vida, o que é importante e o que é tralha e isso é diferente pra cada pessoa. Existem livros e artigos online sobre minimalismo e é claro que você vai encontrar listas e mais listas sobre o que se desfazer mas hoje eu não quero deixar mais uma lista pra vocês, eu quero falar um pouquinho sobre pensar de forma minimalista.

A primeira vez que eu me deparei com o conceito de minimalismo como estilo de vida, eu não entendia muito bem o que levava algumas pessoas a viver de uma forma tão simples sendo que existem milhares de aparatos hoje em dia pra facilitar quase todas as tarefas. Eu não entendia porque ter menos se a gente pode ter um utensílio super moderno pra cada função. Não faria mais sentido ter essas coisas e aí sim, ter uma vida mais simples, já que elas existem pra facilitar?

Não necessariamente.

locket-2569573_1920

Vamos relembrar uma coisa: tempo é a coisa mais preciosa que a gente tem. Se passar, passou, não dá pra voltar e viver o último domingo de novo. Então, se o tempo é uma coisa tão rara, a gente precisa prestar bastante atenção em como ele está sendo gasto. O que acontece é que a gente está sempre reclamando que não tem tempo, que a agenda está cheia e é aí que está o xis da questão. Pra quê você precisa de mais tempo? O que está faltando na sua vida, o que você não está conseguindo fazer porque todo o seu tempo é ocupado com outras atividades? Será que não tem supérfluos tomando o lugar do importante?

E foi pensando no quanto o tempo é precioso que a resposta para a pergunta de 3 parágrafos acima começou a ficar clara pra mim. O propósito de ser minimalista é fazer um sistema que leve em consideração o nosso tempo e o que é realmente importante pra nós – como indivíduos únicos que não são iguais a mais ninguém no mundo – e ter somente as coisas que atendem esses dois requisitos.

Minimalismo tem que ter propósito. Por que EU estou reduzindo a quantidade de coisas que eu possuo? Para o quê eu quero mais espaço? O que eu gostaria de ter e não consigo porque alguma coisa que entra na categoria “excessos” está tomando o seu lugar?

frog-1339892_1280

Quer um exemplo real, da minha vida, pra ilustrar isso?

Nós não temos carro, meu marido e eu. Nunca tivemos e, pelo menos por enquanto, não pretendemos ter. Também não temos TV por assinatura e, o valor que nós gastaríamos mensalmente com um carro e a TV por assinatura, que nós já tivemos e sabemos bem quanto nos custava, possibilita que a gente não economize na qualidade das fraldas da Luna, que a gente ande de Uber sempre que quisermos, possamos sair pra comer fora toda a semana e possamos pagar por serviços que a gente mais gosta e mais usa como o Evernote versão pro, por exemplo.

Percebe que isso é apenas uma escolha entre o que é realmente importante pra gente e o que nós podemos viver sem, além de a gente não precisar ganhar mais dinheiro pra conseguir coisas de muita qualidade simplesmente por que nós eliminamos o que nós não fazíamos questão de ter, os excessos?

Quando a gente fala sobre reduzir, automaticamente coisas materiais vem à mente. Mas e as newsletter que a gente recebe por email só pra apagar sem ler, as fotos digitais que gente nunca filtra e depois não encontra a que quer, os relacionamentos tóxicos com pessoas que te fazem sentir mal, as atividades sociais feitas apenas “porque tem que ir”?Reduzir abrange todas as áreas da vida e fazendo isso, a gente consegue direcionar nosso tão precioso tempo e nosso suado dinheiro pra o que é realmente importante pra nós, sem esperar a aposentadoria pra ter uma vida plena.

Isso é minimalismo pra mim.

Até segunda que vem 😉

Sobre Mila Bueno

E aí pessoa linda que tá do outro lado da tela, tudo bem com você? Eu sou a Mila Bueno, uma Personal organizer que vive um estilo de vida minimalista com a família e compartilha com vocês conteúdo sobre organização, minimalismo e autoconhecimento! Seja bem vinda!

8 comentários

  1. Lucas Palhão em 18 de dezembro de 2017 às 16:15

    Muito interessante!
    Não tão fácil de aplicar, pelo menos me parece…
    Ótimo artigo!

    • Mila Bueno em 18 de dezembro de 2017 às 16:25

      Não mesmo, Lucas… mas vale a pena!
      Abraço!

  2. Será que você já é minimalista? – Mila Bueno em 5 de março de 2018 às 18:00

    […] que no post Pra quê ser minimalista? eu falei sobre o que o minimalismo significa pra mim, como eu enxergo esse movimento e como aplico […]

  3. […] eu falo sobre MINIMALISMO sempre falo sobre viver com menos e isso impacta diretamente em nossos hábitos de compra. A gente […]

  4. Luana Burigo em 15 de maio de 2018 às 00:27

    Adorei Mila, pensamos bem parecido!! ;*

    • Mila Bueno em 15 de maio de 2018 às 10:02

      Fiquei feliz em te receber por aqui Luana! Concordo, pensamos parecido mesmo ?

  5. […] você já me acompanha por aqui, sabe o quanto eu enxergo o minimalismo como um meio de focar toda a sua energia no que é importante pra você e se livrar dos excessos. […]

  6. Minha segunda gestação – Mila Bueno em 11 de fevereiro de 2019 às 07:18

    […] apenas no que nós realmente fazíamos questão aqui em casa, mesmo antes de conhecer o conceito de minimalismo. Mas não dá pra negar que, depois do primeiro filho, a gente aprende muito, principalmente sobre […]

Deixe um Comentário